Início Artigos Dons Espirituais
Dons Espirituais Imprimir E-mail
Índice do Artigo
Dons Espirituais
A distribuição dos dons
Dons fundamentais
Dons sinais
O dom de línguas
O que está acontecendo?
Dons permanentes (i)
Dons permanentes (ii)
Propósito dos dons
Cada cristão tem um dom
A recompensa
Todas as Páginas

Cap. 1 — Introdução

Os dons espirituais são importantíssimos. Nenhum cristão pode cumprir o propósito de Deus quanto à sua vida sem dons espirituais. Nenhuma igreja local pode funcionar como Deus quer, sem estes dons. São indispensáveis, tanto na vida particular do cristão quanto no testemunho coletivo da igreja, pois o trabalho do Senhor é um trabalho espiritual que só pode ser feito por meios espirituais.

As palavras do Senhor Jesus aos discípulos confirmam isto. Ele lhes disse: “Sem Mim, nada podeis fazer” (Jo 15:5). O apóstolo Paulo afirmou que “os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Rm 8:8). Portanto, é impossível fazer a vontade do Senhor na força e na sabedoria da carne.

Vemos este fato ilustrado no trabalho de Paulo em Corinto. Ele nos diz que foi àquela cidade “em fraqueza, e em temor, e em grande tremor” (I Co 2:3). A sua pregação não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, pois reconheceu que a sua própria capacidade e o seu esforço não seriam suficientes para realizar o trabalho do Senhor. Seria necessária a demonstração do Espírito e de poder (I Co 2:4). A obra do Senhor não pode ser feita com capacidade carnal, nem tão pouco poderá ser feita por meios mundanos.

Os pensamentos do homem natural são diretamente opostos aos de Deus (veja Is 55:8). O NT também destaca esta mesma divergência de pensamentos, mostrando que aquilo que os homens consideram loucura é a própria sabedoria de Deus. Em conseqüência disto, o mundo, pela sua sabedoria, não conheceu a Deus (veja I Co 1:18-31). O Senhor Jesus disse: “… o que entre os homens é elevado, perante Deus é abominação” (Lc 16:15). Portanto, os métodos que o mundo usa nos seus projetos não servem no trabalho do Senhor.

Quantas vezes erramos neste ponto! Quantas vezes cristãos, bem intencionados, tentam fazer a obra do Senhor fiados na sua própria capacidade e conhecimento. Logo que sentem que os resultados desejados não estão aparecendo, passam a culpar os métodos “antiquados” que estavam usando. Começam, então, a buscar meios mais “eficientes” e adotam os mesmos métodos que dão resultados nos projetos dos incrédulos. Ignoram que na obra do Senhor, estes métodos são desastrosos. A obra do Senhor não depende de melhores métodos, e sim de mais dependência no Espírito, que operará através dos dons que concedeu aos salvos.

A confusão

Há muita confusão quanto à natureza dos dons. Alguns cristãos os ignoram quase que por completo. Acomodam-se, desfrutando dos dons dos outros, sem se preocuparem em descobrir e usar aquele dom que o Senhor lhes concedeu. Às vezes até chegam a dizer: “Eu não tenho dom”. Por outro lado muitos, talvez reagindo contra esta indiferença, dizem ser possuidores de dons e têm caído em exageros e erros que têm levado alguns outros a rejeitar estes dons, completamente.

Isso porém, não nos deve surpreender. Os dons são tão importantes à igreja que seria surpreendente se o inimigo não os atacasse. Mesmo se muitos cristãos não conhecem a importância dos dons, Satanás sabe quão importante eles são. Ele sabe perfeitamente bem que não conseguiremos absolutamente nada sem usar estes dons e, conseqüentemente, ele cria uma confusão em torno deles, procurando levar-nos a menosprezá-los.

Vamos então à Bíblia, para descobrir o que são dons espirituais.

O que são os dons espirituais?

Antes de definir “dom espiritual”, devemos observar que o NT fala de dons em dois sentidos distintos. No plano individual, lemos de dons dados aos cristãos, e no plano coletivo, lemos de dons dados à igreja.

Encontramos exemplos do primeiro usa da palavra dom — isto é, na esfera individual — em I Coríntios, onde lemos: “… a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência …” (I Co 12:8).

No mesmo capítulo encontramos exemplos do segundo uso da palavra dom — isto é, na esfera coletiva. Lemos que “a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores …” (I Co 12:28-30). Veja também Ef 4:8-11.

Quando a Bíblia fala de dons dados aos cristãos, fala daquela capacidade espiritual que Deus lhes concedeu para fazer o Seu trabalho; quando fala de dons dados à igreja, fala daquelas pessoas capacitadas pelo Espírito para fazer este trabalho.

Portanto, definimos um dom como:

  • A capacidade espiritual que Deus dá a cada um que é salvo, habilitando-o a fazer a vontade do Senhor.
  • A pessoa capacitada, dada pelo Senhor à igreja, para que ela possa realizar o propósito de Deus.

Devemos notar, porém, que o NT usa várias palavras, no seu texto original, quando fala dos dons. Isto não aparece na versão portuguesa, pois estas palavras são sempre traduzidas para o nosso idioma pela palavra “dom”. Vamos considerar apenas algumas delas.

Charisma

Este vocábulo é usado 17 vezes no NT, 5 das quais em I Coríntios cap. 12. Significa um dom de graça. Isto é, charisma dá ênfase ao caráter gratuito do dom. Não é um prêmio; não é algo que recebemos porque merecemos; é um dom da graça de Deus.

Pense bem neste fato. Sendo que o dom é charisma, ele não é merecido. Um dom espiritual não é um prêmio reservado para aqueles que o buscam com mais fervor e firmeza. Não é uma honra conferida àquele que merece, por ser ele mais espiritual. Estes dons são imerecidos, distribuídos pelo Espírito Santo, conforme a graça (favor imerecido) de Deus.

Doma

Esta palavra não é tão freqüente; é usada somente 4 vezes no NT. Foi usada pelo Espírito Santo para dizer aos efésios que Cristo, subiu “ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons (doma) aos homens” (Ef 4:8). Não é sinônimo de charisma. Doma dá ênfase ao caráter sólido e real do dom dado. Diz que os dons são reais. Não são coisas imaginárias ou simuladas. Realmente existem e são autênticos.

Dorea

Esta palavra destaca o fato que os dons são dádivas: são dados gratuitamente. No NT sempre se refere a um dom espiritual ou sobrenatural. Veja Jo 4:10. Ef 3:7 etc. É encontrada em Ef 4:7 na expressão: “… segundo a medida do dom de Cristo”. É de graça; não nos custa nada. A diferença entre esta palavra e charisma parece ser que charisma, além de indicar que o dom é de graça, ainda enfatiza que é imerecido.

Merismos

Merismos indica uma distribuição, e é usada na expressão “… dons do Espírito Santo, distribuídos por Sua vontade” (Hb 2:4). Sugere aquilo que veremos com mais clareza depois — isto é, que todos os salvos tem, pelo menos, um dom.

Estas palavras nos dizem muito a respeito dos dons, mas para compreendermos a sua natureza precisamos considerar ainda outra palavra que o Espírito usou para descrevê-los. Refiro-me à palavra “espiritual”.

Espiritual

Escrevendo aos coríntios, Paulo disse: “Acerca dos espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes” (I Co 12:1). A palavra “dons” não está no texto original; foi acrescentada pelos tradutores para completar o sentido, e creio que todos concordarão que o contexto deixa bem claro que as coisas espirituais neste versículo são, de fato, os dons.

A palavra “espiritual” é usada 15 vezes na primeira carta aos Coríntios. É uma palavra chave, não só para entendermos a mensagem da carta, como também para entendermos a natureza dos dons. Veja alguns exemplos do seu uso em I Coríntios.

  • Lemos do homem espiritual em contraste com o homem natural (2:14-15).
  • Lemos de cristãos espirituais em contraste com cristãos carnais (3:1).
  • Lemos de coisas espirituais em contraste com coisas carnais (9:11).
  • Lemos do corpo espiritual em contraste com o corpo natural (15:44).

Isto mostra que “espiritual” é antônimo de “natural” e “carnal”. Quando Deus usa esta palavra para descrever os dons (I Co 12:1), Ele está dizendo que estes dons não são naturais, nem carnais; são espirituais.

Os dons não são naturais

Ao nascer, nós recebemos muitos dons do nosso Criador bondoso. A própria vida, bem como a inteligência, a voz, a visão e outras coisas semelhantes são dons de Deus, dados gratuitamente às Suas criaturas. Deus tem sido muito generoso na distribuição destes dons, mas não são dons espirituais — são naturais.

Quando, porém, um pecador nasce de novo, este torna-se filho de Deus e recebe dons espirituais. Estes não são naturais, pois o homem natural não os possui. Ninguém os recebeu quando nasceu segundo a carne. Ninguém os herdou de seus pais.

Sendo que Deus distingue entre o que é espiritual e o que é natural, precisamos fazer a mesma distinção. Caso contrário, havemos de cair em confusão. Os talentos naturais que temos não são dons espirituais.

Os dons não são carnais

Além dos dons naturais que recebemos quando nascemos, podemos adquirir mais conhecimento e mais capacidade através de estudo e esforço próprio. Da mesma forma que aprendemos a ler e escrever, podemos aprender a discursar e ensinar. O que aprendemos pelo nosso estudo ou esforço, porém, não é o que a Bíblia chama de “dom”. São talentos adquiridos, ganhos através de um esforço; os dons são charisma, isto é, da graça de Deus.

Conclusão

Diante destes fatos, não podemos ficar indiferentes. O trabalho de Deus é um trabalho espiritual, que só pode ser feito por meios espirituais. Se você quer ser útil a Deus, encontre a resposta a essas três perguntas:

  • O que é um dom espiritual?
  • Qual é o dom que Deus me concedeu quando Ele me salvou?
  • Como devo usar este dom?

Temos notado o que é um dom espiritual; portanto, temos a resposta à primeira pergunta. Nunca devemos tentar fazer a obra do Senhor por meios meramente naturais ou carnais. Os talentos naturais que Deus nos deu, bem como aquela habilidade que temos adquirido pelo nosso próprio esforço podem, e devem, ser usados no serviço do Senhor mas, em si, não são suficientes. O essencial é ter dons espirituais.

É necessário, então, que você descubra qual o dom, ou quais os dons, que o Senhor lhe concedeu. Se você realmente deseja fazer a vontade do Senhor, e não a sua própria, ore sinceramente pedindo que Deus lhe mostre qual o dom que você possui, e Ele logo mostrará. Oportunidades para servir se apresentarão, e você sentirá a crescente convicção de que Deus está, de fato, levando você a fazer tal serviço.

Porém, não podemos confiar em sentimentos. O coração é enganoso, mais do que todas as coisas (Jr 17:9), e pode facilmente nos enganar. Por esta razão, é importante levar em consideração a opinião de irmãos experientes e espirituais. Se você é o único que pensa que possui determinado dom, pode ter certeza que não o possui.

Uma vez que você descobre o dom que tem, não o negligencie. O dom foi dado para ser usado, e um dia, Deus lhe pedirá contas.

Falaremos mais a respeito disso, depois de examinarmos os dons mais detalhadamente.